Blog

12ago2016

Jumper´s knee: já ouviu falar? É a tendinite no joelho do saltador.

Quem me conhece sabe que sou apaixonado por esportes! Tenho acompanhado com muita emoção os jogos olímpicos e visto o resultado de meses de treino, dedicação, espírito esportivo e garra. O que ninguém vê, ao acompanhar as performances, é que o excesso de esforço também gera muita dor.

O corpo do atleta é naturalmente muito exigido em determinados grupos musculares e articulações. Os joelhos sofrem com os saltos, corridas, arremessos, passos rápidos, movimentos bruscos… Em algumas modalidades, como salto, basquete, atletismo, vôlei, corrida e handebol, o desgaste é bem maior, podendo desencadear a temida tendinite no joelho saltador, ou jumper´s knee.

Tenho atendido muitos casos assim no consultório. As queixas mais comuns são dores ou sensibilidade nos joelhos ao correr, caminhar ou subir escadas ou ladeiras, ao dobrar ou esticar as pernas e inchaço. Tudo isso causados por estresse no tendão patelar, que podem inflamar e gerar desconforto. Mas não são somente atletas que sofrem com essa tendinite. Pessoas com membros inferiores desalinhados também podem desenvolver essa inflamação. Se você tem quadris largos, joelhos valgos ou pés pronados, ou seja, com arco ou chato, precisa ficar de olho ao menor sinal de dor ou desconforto.

 

Tratando a tendinite como se deve.

O diagnóstico apontou tendinite? Então é bom seguir alguns conselhos:

  • Diminua atividades como saltos ou agachamentos, que aumentam a pressão femoropatelar.
  • Aplique gelo por 30 minutos, até 6 vezes por dia, principalmente após atividades físicas.
  • Reforce o alongamento dos flexores do quadril e joelhos (isquiotibiais, gastrocnêmio, iliopsoas, reto femoral e adutores), dos extensores do quadril e joelhos (quadríceps e glúteos), da iliotibial e do retináculo patelar.
  • Fortaleça os músculos.
  • Invista em um treinamento proprioceptivo específico, pliometria e um retorno ao esporte com supervisão.

Antes de apelar para a cirurgia, existem algumas terapias que estão sendo utilizadas, como a TOC, terapia por ondas de choque, que costuma produzir resultados funcionais comparáveis à cirurgia e a aplicação de PRP, plasma rico em plaquetas. Esta última consiste em injetar nas lesões uma concentração de células reparadoras do próprio sangue do paciente. As plaquetas contêm as substâncias que ajudam a reparar os tecidos.

Se mesmo com esses procedimentos a dor persistir, indica-se a cirurgia. A boa notícia é que, com a artroscopia do joelho, é possível realizar o procedimento cirúrgico sem a incisão clássica, o que oferece maior conforto e uma recuperação mais rápida.

Para que o paciente volte às atividades diárias ou aos treinos, no caso de um atleta, é necessário não descuidar da reabilitação, para que o retorno seja o mais seguro possível. Somente seu médico poderá dizer quanto tempo você vai precisar para voltar à ativa. Lembre-se de consultar seu médico para poder fazer um diagnóstico correto e seguro.

(tags: joelho do saltador – tendinite patelar – dor nos joelhos – artroscopia no joelho)

  • 12 ago, 2016
  • Dr. Marcelo Acherboim
  • 0 Comments
  • artroscopia no joelho, dor nos joelhos, joelho do saltador, tendinite patelar,

Share This Story

Categories

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *