Blog

06set2016

Na dor e na conquista, nos treinos e nas vitórias!

Acompanhei os Jogos Olímpicos com muita emoção. Além do esporte ser uma prática constante no meu dia a dia, meu trabalho como traumatologista me possibilita ter uma percepção um pouco mais ampla sobre a complexidade do esporte.

Não é a primeira vez que vejo atletas sacrificarem seus resultados em prol de um colega acidentado. Durante as provas, presenciei uma emocionante demonstração do autêntico espirito olímpico.

A cena: eliminatórias dos 5.000m do atletismo. As personagens: a norte-americana D´Agostino e a neozelandesa Hamblin. Aos 3 mil metros de prova, formou-se uma confusão no pelotão que brigava por alguns preciosos décimos de segundo. A americana tropeçou e caiu e a neozelandesa, que vinha logo atrás, tropeçou nela e caiu também.

Levantaram e tentaram seguir em frente, quando D ´Agostino, sentindo muita dor, não conseguiu prosseguir sozinha. Foi aí que a neozelandesa deu um show de solidariedade. Ela abriu mão de um resultado melhor para acompanhar a colega até o final do percurso, que deixou o estádio em cadeira de rodas.

O que fazer na ruptura do ligamento cruzado anterior.

Mais tarde eu soube que a lesão da americana foi grave: ela sofreu uma torção no joelho direito, havendo uma ruptura completa do ligamento cruzado anterior, além de outra contusão no ligamento colateral medial. A lesão do ligamento cruzado anterior é uma das lesões mais comuns no esporte que, além da instabilidade no joelho, causa dor e merece muita atenção.

Como essa estrutura do joelho não cicatriza, geralmente é indicada uma cirurgia para restabelecer a estabilidade e a função da articulação, tanto para quem sofreu a lesão parcial quanto a total. Então se você sofreu uma lesão desse tipo e sente fraqueza ou falseio no movimento, redobre a atenção. Procure um especialista e siga rigorosamente as recomendações. Geralmente após a cirurgia é preciso encarar a fase da reabilitação (geralmente a fisioterapia é complementada por hidroterapia) e a total retomada das atividades pode levar um ano. Respeite os limites do seu corpo e conte sempre com a ajuda de profissionais para retornar à rotina com segurança e conforto. Lembre-se que sua saúde é preciosa e insubstituível!

  • 6 set, 2016
  • Dr. Marcelo Acherboim
  • 0 Comments
  • fisioterapia, joelhos, ligamento cruzado anterior,

Share This Story

Categories

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *